27/03/2012

Voltei a jogar Priston Tale

Priston Tale foi um dos jogos que mais joguei no computador, desde sempre. Havia parado de jogar ao perceber que estava bastante viciado, ao ponto de não fazer NADA além de jogar. Upar, upar, upar e upar. Priston Tale é resumido à isso (desculpem por lançar um spoiler de "não joguem o jogo desinteressante"). Apesar de tudo, ele é um ótimo jogo.

Acontece que voltei. Voltei a jogar Priston Tale.

No final do ano passado, quando "me esqueci" de pagar o domínio deste blog, vendi minha conta do jogo para poder pagar. Não que eu não tivesse dinheiro (e realmente não tinha), mas vender era o mais fácil a se fazer. Mais de 300 horas de jogo vendidas por míseros 80 pilas. Ah, que se dane. Vendi a conta, mas o dinheiro só ia vir na semana que vem.

Acontece que o dinheiro não veio.

Depois de meu blog ter saído do ar, resolvi pagar com meu próprio dinheiro (mesmo o dinheiro da conta sendo meu, também). Com isso, vender a conta já não era mais o caso. Como havia "vendido" para um amigo e ele quase não usa computador (na época ele usava), consegui mudar a senha novamente, pra vocês verem que nem isso ele alterou (eu que havia dado uma nova senha a ele). Mesmo mudando a senha, deixei a conta pra lá, para fins futuros.

Tempos depois, resolvi dar uma olhada no meu cavaleiro. Deu uma vontade de jogar um pouquinho. Eu tive uma surpresa. Meu cavaleiro estava completamente "pelado", sem itens ou dinheiro! Meu amigo provavelmente transferiu tudo para outra conta. Até aí tudo bem, quando ele ficar online eu peço os itens de volta. Mas eu me lembrei que ele RARAMENTE entra (vendo aqui, a última vez logado foi em novembro do ano passado!).

OK, parei de jogar mais uma vez.

Há dois dias resolvo voltar a jogar. Baixei o cliente e fiz o login. Era verdade, meu cavaleiro foi roubado mesmo. Hoje cedo, fui atrás de amigos que poderiam me ajudar. Achei um, de um clã antigo. Consegui com ele uma armadura, para ao menos conseguir me defender dos inimigos. Agora precisaria de uma arma. Não é que encontro uma espada perfeita à venda por 10kk? E passa um cara, compra e me dá de presente. Não é estranho?!

O fato é que agora estou apto a continuar à ativa. E é o que estou fazendo!

Priston Tale é um dos jogos que literalmente o deixa no estado "internado". Tanto que já foi falado num cast sobre o jogo, no episódio Viciados em Priston. Não é só comigo, todos que gostam do jogo e joga de verdade, se interna. Talvez pior que World of Warcraft ou League of Legends.

Priston deixa um sentimento dentro de você que o faz só pensar em "upar". Como o processo lá é muito, muito lento, você começa a cortar qualquer outra coisa que atrapalhe seu tempo para ganhar experiência. Sim. Você não dorme, não come, não faz nada - simplesmente porque essas coisas demandam tempo e o tempo é algo precioso, já que um cara no meu nível (95) consegue 1% de experiência a cada 1 hora upando. Imagine quantas horas preciso para atingir 100%? Retirando a parte quando você morre, que perde 3% (e você faz as contas e vê que perdeu 3 horas de jogo).

Acho que falei mais do que devia. Mas de qualquer forma, meu objetivo agora é outro. Se eu só pensar em upar, pode ser que fique viciado novamente. Tenho em mente que devo "reestruturar meu cavaleiro". É um objetivo mais sadio, nem tanto fácil mas bem caminhado.

Será que dessa vez eu acabo com o dilema "95 Forever"? Quem sabe.

20/03/2012

Street Fighter 2 Hadouken Theme: Beatbox, guitarra e baixo! [vídeo]

Um cara fez o cover do tema Hadouken, do Street Fighter 2. Mas não é um simples cover. Ele reproduz a música usando a técnica beatbox e uma guitarra. E o baixo? Ele usa a última corda da guitarra para simular o som. CARAMBA, ELE É HUMANO?!

Isso mesmo. Só de fazer o beatbox e usar a guitarra já é algo difícil, tornando um instrumento em dois é algo impressionante.

Bom, vejam o vídeo:


16/03/2012

Saint Seiya Ômega: Novas informações da série e teaser [vídeo]

Assim que as primeiras notícias sobre Saint Seiya chegaram, eu tive o prazer de postar aqui no blog para vocês que possivelmente gostam da série saberem da novidade.

A série está bombando tanto que esta semana foi bastante conturbada. Houve dezenas de novas informações saindo no CavZodíaco - recebidos diretamente da Toei Animation - que não ia dar pra postar todas aqui, e eu nem faria isso.

Mas vou postar algumas coisas que achei mais relevantes e o restante deixo que vocês vejam diretamente no site CavZodíaco.

O novo anime será chamado aqui no Brasil de Os Cavaleiros do Zodíaco Ômega. Inicialmente, a saga contará com 52 episódios e em média durará 1 ano de exibição no Japão. Sobre a comercialização do anime em outros países, já está havendo negociações com alguns, sendo um deles o Brasil.

Basicamente, a história é o seguinte:

Treze anos atrás, Kouga de Pégaso, o novo cavaleiro de bronze que ocupa o lugar de Seiya (que agora é cavaleiro de ouro de sagitário. Surpreso?), é salvo das mãos de Marte por Seiya e fica aos cuidados de Atena a partir daí.


Treze anos depois, Atena diz a Kouga que ele deve se tornar um cavaleiro, mas o mesmo se recusa. Marte então aparece novamente e sequestra Atena, o que desperta a vontade de salvá-la partido de Kouga, que decide treinar como um cavaleiro de bronze para resgatá-la.




No decorrer da história, Kouga conhece os demais cavaleiros de bronze e parte em busca de sua jornada.

Para os fãs antigos, saibam que sim, os cavaleiros de bronze anteriores vão aparecer na série, mas cada um com seu destino já traçado.

Seiya se tornou cavaleiro de ouro de sagitário e aparece no episódio 17. Hyoga se tornou cavaleiro de ouro de Aquário, porém foi congelado por Marte. Shiryu se tornou cavaleiro de ouro de Libra e, inclusive, teve um filho com a Shunrei e este é um dos cavaleiros de bronze. Shun, portanto, não pode mais lutar por não conseguir queimar seu cosmo por conta da luta contra Hades e agora dá conselhos aos cavaleiros. Ikki voltou à ilha da Rainha da Morte.

Inicialmente, o inimigo principal será Marte, o mesmo quem tentou matar Kouga; e sequestrou Atena treze anos depois. Após este, um novo aparecerá, chamado Lúcifer.

Quanto aos arcos da série, são estes:

4 ~ 5 - Lutas entre cavaleiros
6 ~ 8 - Fuga de Marte
9 ~ 16 - Sete Ruínas do Norte
17 - Seiya retorna
18 ~ 39 - Novo santuário, a Torre de Babel
40 ~ 41 - Batalha contra Marte
42 ~ 50 - Lúcifer
51 ~ 52 - Batalha final contra Lúcifer




Vejam um vídeo teaser da nova série:



Informações detalhadas em CavZodíaco .

14/03/2012

Relembre os melhores jogos de Super Nintendo [vídeo]

A era Super Nintendo foi uma das melhores na minha vida, senão a melhor. Me lembro que meu sonho era sempre ter um Nintendo, mas nunca tive esta oportunidade. Já tive um Turbo Game (piratão do Nintendinho), um Mega Drive e até um Playstation 1, mas Super Nintendo que era bom, nada.

Encontrei no YouTube um vídeo que mostra os 100 melhores jogos de Super Nintendo, segundo o próprio criador do vídeo, claro. Há muitos clássicos aqui que também teve versões para outros consoles, como o já falado Mega Drive. Sabe como é ficar surpreendido por ver aquele jogo que você jogava quando era moleque e lembrar das dificuldades que, provavelmente, você sofreu para passar as fases, jogando com amigos, irmãos ou primos? Foi o caso de vários jogos da minha infância, muitos deles no vídeo a seguir.



Alguns aí é óbvio que conheço, como os jogos do Mario, Street Fighter, Mortal Kombat, Zelda e Donkey Kong. Mas muitos outros, como Tartarugas Ninja, Blackthorne, Rei Leão, NBA Jam Tournament Edition, Sunset Riders, Alladin, Wild Guns também são jogos que já joguei ou tenho uma rápida lembrança de já ter visto em algum lugar. No caso do Blackthorne (nome esse que nunca me lembraria) foi um dos que teve uma versão no Mega Drive - console onde joguei - e achei este jogo EXTREMAMENTE FODA! A minha sorte é que o vídeo colocou justo a cena que mais ocorre nas fases, que é quando você mata aqueles caras presos e eles caem no chão. Se colocassem qualquer outra cena, talvez eu não me lembraria.

Alguns outros jogos que não estão na lista mas que eu gosto bastante é o Goof Troop, ou simplesmente Pateta e Max - alguém aí lembra? Ou então Oscar, um ótimo jogo de aventura, também. Ah, não posso esquecer de Asterix e Obelix, um dos que me lembro de jogar. Tem outro que custa lembrar o nome, ao qual não consegui encontrar no Google (preciso de ajuda nessa!), só me lembro que era um jogo em que você era um cara meio que com poderes ou algo do tipo. Você tinha uma barrinha chamada fuel e você a gastava flutuando com sua mochila à jato. De qualquer forma, pelas minhas vagas memória, acho que o cara era verde. Ou alguma coisa era verde.

Boogerman também foi um ótimo jogo... e nojento.


Estou pensando em fazer alguns posts sobre jogos que gostava de jogar na infância e mudou minha vida (ou não).

Agora vocês, leitores, digam-me os jogos da infância de vocês, quem sabe não é um dos que eu já joguei e estou à procura? Me fará muito feliz (e todos os que visitarem o blog também)! ;)

13/03/2012

Um chinês de dois anos que joga Counter-Strike melhor que você (ou não)

Já vi tantas coisas incríveis neste mundo e queria saber porque a maioria delas vêm dos "olhos puxados", os asiáticos (na maioria das vezes, especificamente, os japoneses).

O vídeo a seguir mostra um garoto chinês de apenas dois anos jogando um FPS idêntico ao Counter-Strike, chamado Mercenary Force Cooperation - mais um xing-ling dos jogos.

Para a idade do moleque, ele se torna melhor que você (e eu). Ele mata, corre, vira, faz tudo! O mais engraçado é que ele fica batendo na mesa para caminhar. Mais engraçado ainda é quando ele encontra um inimigo, que é quando precisa fazer movimentos mais ágeis e daí ele bate na mesa com muito mais velocidade e força (ele deve trocar o mouse todo dia).



Imagina este moleque quando crescer um pouco mais? Habilidade e raciocínio ele já tem.

Via Kotaku.

12/03/2012

MyAnimeList: Crie sua lista personalizada de animes e mangás

Um site que venho utilizando há algum tempo, o MyAnimeList, é onde você pode criar uma lista com as séries japonesas que você já assistiu, está acompanhando ou está aguardando lançamento, seja ela animes, mangás, OVAS, filmes de animes, etc.

Existem vários tipos de categorias disponíveis, sendo elas Watching (assistindo/acompanhando), Completed (concluído), On-Hold (Aguardando), Plan To Watch (planejando assistir), Dropped (desistido). Estas são categorias que você escolhe ao adicionar um anime/mangá à sua página de perfil.

Como não li mangá algum, até hoje, eu só uso para gravar os animes que eu assisto. No caso do Naruto, eu deixei o Naruto (clássico) categorizado como Completed (o sistema reconhece os 220 episódios) e o Naruto Shippuden vou atualizando a cada semana, conforme eu assisto um episódio novo.

Você pode também dar uma nota para o anime, marcar a data de início do primeiro episódio e data de término, até informações mais precisas como local de onde os episódios veio (se estava no HD, comprado em DVD, etc) e vezes que você re-assistiu algum deles.

O site também fornece informações básicas de cada série e sua classificação etária.

Recomendo pra quem curte animes e mangás, para poder manter um melhor controle sobre o que você já assistiu e coisa do tipo.

Se ficou interessado na minha lista, é só visitar este link. Sei que está pequena, mas dá pro gasto... eu acho.

Quem quiser começar assistir algum anime novo mas está sem ideias, veja esta tabela com vários animes já classificados por qualidade e outras informações - criado pelo meu amigo Jader, lá da comunidade pristoniana (Priston Tale).

Pra galera que já tem conta no MyAnimeList ou pretende criar uma, não se esqueça de postar o link da sua página pra gente dar uma olhada!

08/03/2012

Comprei o Out There Somewhere!

Finalmente arrumei um jeito de poder comprar o Out There Somewhere, depois de longas conversas com a MiniBoss sobre as formas de pagamento.

Havia uma forma de pagamento compatível comigo - o PayPal, já que dia 5 ia cair a grana que arrecadei usando o Adf.ly nos meus links (ele é bom mesmo!). Paguei $4,99 no jogo e recomendo, para os que desejam comprar, que paguem em dólares (escolhendo os Estados Unidos, ao invés do Brasil, na loja) porque na nossa moeda custa um real mais caro.

Após a compra, recebi um e-mail da loja me agradecendo, além de um link para baixar. Veio um arquivo zipado com dois executáveis, um do jogo em inglês e outro do jogo em português. Assim como na versão demo, os executáveis não instalam o jogo e sim o abrem diretamente.



Daí resolvi jogar. O que mais gostei deste jogo, fora o que já falei dele, é que conforme você progride, mais difícil fica. Sei que isto é óbvio em qualquer jogo, mas a forma que é aplicada aqui é bem interessante já que os novos obstáculos que aparecem são incrivelmente elaborados, o que podemos ver que há criatividade na MiniBoss Studio.

Infelizmente, fiquei "preso" numa parte impossível, ao meu ver, de continuar. Eu teria que dar um mega-super-hiper pulo para conseguir me teleportar até a plataforma do canto, para então, subir para a próxima. Acontece que sempre caio em cima do inimigo e não consigo de jeito nenhum subir lá (se alguém souber como passa, urgentemente me avise!).



E é isso, galera. O jogo é ótimo e recomendo a todos comprarem. Além do mais, devemos dar suporte às empresas independentes brasileiras, porque a gente sabe que fazemos o nosso melhor e devemos ser reconhecidos, certo? Então vamos comprar o jogo que além de ajudá-los ainda vamos nos divertir bastante com este jogão.

Visitem o site da MiniBoss Studio para saber mais. ;)

01/03/2012

As empresas não se importam se você não compra os produtos dela?

Eu não entendo o que acontece, parece que as empresas - pelo menos as independentes - não se importam se você compra ou não seus produtos.

Essa afirmação se deu por conta de eu querer comprar um aplicativo e um jogo e ambas as empresas me disseram que não se importam se eu baixar o mesmo conteúdo ilegalmente ou não.

Primeiro, eu queria comprar um aplicativo para meu celular, o Belle Shell. Como a única forma de pagamento disponível é através da Loja Nokia, eu precisaria ter um cartão - o que eu não tenho. Então enviei um e-mail ao desenvolvedor pedindo que me vendesse pelo menos através do PayPal porque eu teria o maior prazer de comprar.

A resposta dele?


Traduzindo um pouco a frase final, foi essa:

"Sem problemas se você não comprar o Belle Shell, então não se preocupe com isso."

Essa foi a resposta depois de eu dizer que já havia baixado ilegalmente o aplicativo - para testar - e como gostei, agora queria comprar. Ele simplesmente disse que, pra ele, se eu comprar ou não, por ele tudo bem.

O próximo foi uma desenvolvedora um pouco mais evoluída, a MiniBoss Studio. Como sabem, o jogo Out There Somewhere saiu recentemente e eu joguei até a mensagem mandando eu comprá-lo. Como a empresa é brasileira, fiz questão de comprá-lo; não só por isto, mas porque o jogo era realmente bom.

Descobri que este jogo tem uma versão em português, porém só pode ser comprado por cartão internacional! Daí, eu segui o mesmo procedimento em dizer que se eu não conseguisse comprá-lo, teria que baixá-lo ilegalmente! O que disseram?

"Se realmente estiver impossível de comprar, nós não nos importamos que você baixe o jogo "ilegalmente"."

Se quiserem ver o comentário completo, clique aqui.

Agora eu pergunto: POR QUÊ?

Sempre fui acostumado a ser um usuário de "torresmos", baixando um jogo aqui e ali, o quanto podia. Quando finalmente eu tomo vergonha na cara e quero dar o reconhecimento que as empresas merecem - principalmente as independentes, que merecem um esforço a mais - elas simplesmente recusam a oferta e me mandam de volta à vida em que eu baixava jogos ilegalmente.

Eu não entendi nada. Alguém me explica, por favor?